Dicas para escrever bem para as telas

DICAS PARA ESCREVER BEM PARA AS TELAS

Não basta uma câmera na mão e uma ideia na cabeça. É preciso escrever bem antes de gravar ou filmar essas ideias. Um roteiro não é uma ideia abstrata que a gente capta no ar num rasgo de inspiração e transforma-a em imagens coerentes na tela. É preciso saber escrever bem para as telas se você tem algo a contar de forma ficcional. Um roteiro para uma historia de ficção seja de curta ou longa metragem, necessita de um argumento bem claro. Uma ideia central bem definida do que de desejamos contar. E em seguida saber como conta-la. Alguns detalhes podem facilitar na construção desse roteiro que você pretende escrever.

Um roteiro bem escrito na sua elaboração passa-nos com clareza a trama central e apresenta-nos os personagens principais nas três a quatro sequências iniciais. Uma trama bem urdida evita um grande numero de personagens. Concentramos a narrativa central da trama em cerca de 4 a seis personagens. Os personagens principais devem atravessar quase todas as sequências do filme. Um roteiro de longa-metragem tem em média de 90 a 100 sequências. Elas devem ser curtas, descritas em torno de 1 a 3 páginas de um roteiro formatado no modelo padrão. Cada sequencia deve ser construída de forma que faça a trama central avançar.

Devemos evitar muitos diálogos, sobretudo os explicativos e longos. Um bom roteiro não deve ter mais do que 45% por cento de diálogos em sua narrativa. A cada bloco narrativo que ocupe a duração temporal de 25% de cada parte da história criando um fato novo que reencaminhe a narrativa, uma “virada” dramática. A escolha da pessoa narrativa da história é fundamental. Desde o início da história é importante escolher quem é o personagem narrador. É do ponto de vista dele que contaremos a história. Pode ser o protagonista, o seu parceiro, o coadjuvante ou um personagem voyeur que está dentro da trama, mas não sabemos quem é. Toda historia tem principio, meio e fim. Os personagens também devem ter um fim na historia. O desenlace central deixamos para os protagonistas.

Evite criar sequências em locais problemáticos para filmar e a participação de muitas pessoas ou animais. Os roteiros devem evitar serem descritivos. Devem ser concisos e os espaços revelados pelas ações. Use frases e diálogos curtos, com menos de três linhas e lembre-se que ao descrever cada cena, cada frase escrita deve corresponder a um futuro plano na decupagem da futura filmagem ou gravação.

O roteirista deve tomar como referência as suas experiências pessoais para dar vida e alma a seus personagens. Escreva sempre sobre o que conhece ou estude mito e informe-se sobre a realidade que vai escrever. E todo final de uma historia deve nos surpreender, provocar uma reflexão ou nos presentear com uma sensação. O filme tem que ter “alma” e tornar-se inesquecível para qualquer espectador, compreensível em qualquer país do mundo. Não existe o filme cult, “cabeça” ou qualquer classificação. O que existe é o filme bom.

Jorge Monclar

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on Twitter0Share on LinkedIn1
Gostou? Receba mais conteúdos como este

Um comentário para “Dicas para escrever bem para as telas”

  1. Luciana Carraro disse: 20/03/2017 às 18:01

    Olá boa tarde,gostei muito do texto,gostaria de ver alguns exemplos de roteiros,se possível,obrigada.

Escreva uma resposta ou comentário

Seu endereço de e-mail não será exposto.